O Leão e os Ossos – O que restou do imbecil – Vol. III – Olavo de Carvalho

O Leão e os Ossos - O que restou do imbecil – Vol. III – Olavo de CarvalhoUm leitmotiv da ópera comunista é aquele que se inspira na regra de Sun-Tzu: “Quando forte, mostre-se fraco”. Quando a política comunista está empenhada em ações de grande envergadura e de longo prazo, a tônica geral da sua propaganda é acalmar temores e desviar atenções ― é o famoso “senta, que o leão é manso”.

Esta nova coletânea de artigos de Olavo de Carvalho, terceiro volume da série O que restou do Imbecil, mostra ao leitor que, já em 2000, o filósofo previa muito do que hoje constitui a trama do nosso cotidiano, quando mais uma vez os ossos daqueles que caem na conversa do leão comunista servem de troféu no espetáculo macabro do maquiavelismo revolucionário.

Sobre o autor

Olavo de Carvalho, nascido em Campinas-SP, em 29 de abril de 1947, tem sido saudado pela crítica como um dos mais originais e audaciosos pensadores brasileiros. A tônica de sua obra é a defesa da interioridade humana contra a tirania da autoridade coletiva, sobretudo quando escorada numa ideologia “científica”. Para Olavo de Carvalho, existe um vínculo indissolúvel entre a objetividade do conhecimento e a autonomia da consciência individual, vínculo este que se perde de vista quando o critério de validade do saber é reduzido a um formulário impessoal e uniforme para uso da classe acadêmica.

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *