O eterno marido – Fiódor Dostoiévski

O eterno marido - Fiódor DostoiévskiO reencontro, após quase uma década, do “eterno marido”, agora viúvo, com o ex-amante de sua mulher é o ponto de partida dessa narrativa magistral, em que comparecem os motivos e figuras típicas do universo dostoievskiano: a criança sofredora, o bufão trágico, o homem do subsolo.

Escrito em 1870, em plena maturidade de Dostoiévski, O eterno marido é o mais bem-acabado de seus romances curtos.

Sobre o autor

Fiódor Mikháilovitch Dostoiévski nasceu em Moscou em 1821, e estreou na literatura com o romance Gente pobre, em 1846, ao qual se seguiram O duplo (1846) e Noites brancas (1847), entre outros. Após ser preso e condenado à morte pelo regime tsarista em 1849, teve sua pena comutada para quatro anos de trabalhos forçados na Sibéria, experiência retratada em Escritos da casa morta, livro que começou a ser publicado em 1860, um ano antes de Humilhados e ofendidos. Após esse período, escreve Memórias do subsolo (1864), Um jogador (1867), O eterno marido (1870) e uma sequência de grandes romances, Crime e castigo (1866), O idiota (1869), Os demônios (1872) e O adolescente (1875), culminando com a publicação de Os irmãos Karamázov em 1880. De 1873 até o ano de sua morte publicou ainda o Diário de um escritor, reunindo peças jornalísticas e de ficção. Reconhecido como um dos maiores autores de todos os tempos, Dostoiévski morreu em São Petersburgo, em 1881.

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *