Um jogador – Fiódor Dostoiévski

Um jogador - Fiódor DostoiévskiNo início de outubro de 1866, Dostoiévski, imerso em dívidas, encontrava-se numa situação-limite: ou entregava a seu editor um novo livro até o dia 1º de novembro ou perderia o direito a qualquer remuneração por suas obras pelo prazo de nove anos. Com auxílio da taquígrafa Ana Grigórievna Snítkina, que logo se tornaria sua segunda esposa, o escritor lançou mão de sua experiência nas mesas de roleta iniciada anos antes, ao lado de sua amante Polina Súslova, para produzir, em pouco mais de vinte dias, esta obra vertiginosa.

Com uma trama em que todos os interesses giram em torno do dinheiro e em que se confrontam as culturas russa, francesa, inglesa e alemã, Um jogador é uma narrativa altamente satírica que, ao mesmo tempo, retrata de maneira insuperável a atmosfera dos cassinos, a paixão pelo jogo e a psicologia profunda de um jogador.

Sobre o autor

Fiódor Mikháilovitch Dostoiévski nasceu em Moscou em 1821, e estreou na literatura com o romance Gente pobre, em 1846, ao qual se seguiram O duplo (1846) e Noites brancas (1847), entre outros. Após ser preso e condenado à morte pelo regime tsarista em 1849, teve sua pena comutada para quatro anos de trabalhos forçados na Sibéria, experiência retratada em Escritos da casa morta, livro que começou a ser publicado em 1860, um ano antes de Humilhados e ofendidos. Após esse período, escreve Memórias do subsolo (1864), Um jogador (1867), O eterno marido (1870) e uma sequência de grandes romances, Crime e castigo (1866), O idiota (1869), Os demônios (1872) e O adolescente (1875), culminando com a publicação de Os irmãos Karamázov em 1880. De 1873 até o ano de sua morte publicou ainda o Diário de um escritor, reunindo peças jornalísticas e de ficção. Reconhecido como um dos maiores autores de todos os tempos, Dostoiévski morreu em São Petersburgo, em 1881.

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *