Teoria e História – Ludwig von Mises

Teoria e História - Ludwig von MisesTeoria e História é primeiramente uma crítica a Karl Marx, seu materialismo e suas previsões sobre a inevitabilidade do socialismo. Marx atribui a criação de ferramentas e máquinas, assim como a estrutura econômica da sociedade, a indefinidas “forças matérias produtivas”; Mises rejeitou esta visão materialista; observou que ferramentas e máquinas são na verdade criadas por ações individuais baseadas em ideias não-materialistas.

Este livro discute a teoria da economia — o estudo da ação humana propositada — e da história — o registro das ações individuais passadas. Todas as ações são determinadas por ideias. Pensamentos e ideias são coisas reais, escreve Mises. “Embora intangíveis e imateriais, eles são fatores responsáveis por produzir mudanças no reino das coisas tangíveis e materiais.”

Ao invés de considerar o estudo das mudanças históricas um “passatempo inútil”, Mises salienta sua extrema importância prática: “A história olha para trás, para o passado, porém a lição que ela ensina diz respeito ao que está por vir.” A história abre a mente para um entendimento da natureza humana, aumenta a sabedoria e distingue o homem civilizado do bárbaro.

Sobre o autor

Ludwig von Mises é o maior expoente da chamada Escola Austríaca de economia, fundada por Carl Menger. Professor e economista com larga erudição e inteligência brilhante, sua obra vai muito além da análise econômica, e absorve um sem sem número de perspectivas éticas, jurídicas e filosóficas. No tratado Ação Humana, Mises apresenta uma visão integral da economia, libertando-a do positivismo matemático e meramente estatístico, para tratá-la como a ciência eminentemente humana – e nem por isso menos rigorosa – que é. Teórico do método denominado praxeologia, ou ‘lógica da ação humana’, o autor observa que os eventos econômicos são o resultado das ações concretas dos homens, cuja intenção será sempre deixar um estado de menor satisfação para atingir um estado de maior satisfação, independentemente do valor moral intrínseco desse estado.

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *