A Ideologia do Século XX – José Osvaldo de Meira Penna

O professor, diplomata e ensaísta brasileiro José Osvaldo de Meira Penna trata neste livro da necessidade de se transcender a ideologia do Estado-nação, da religião política, que atacou a mente ocidental ao longo do século passado como uma espécie de psicopatologia coletiva. Diz ele que a estrutura do Estado-nação, que socializa a economia e os meios de comunicação, é obsoleta. Para Meira Penna, nem o socialismo, nem o nacionalismo, nem o liberalismo de esquerda que a eles se entrega, oferecem soluções para os nossos problemas de escala planetária. Portanto, conclui que ou a humanidade supera a idade do Estado-nação sacralizado na religião civil do socialismo ou estará condenada pelos impasses que não podem ser abordados e vencidos ao nível de interesses nacionais conflitivos.

Sobre o autor

José Osvaldo de Meira Penna (Rio de Janeiro, 14 de março de 1917 – Brasília, 29 de julho de 2017) foi um diplomata e escritor brasileiro. Foi um expoente do liberalismo e do conservadorismo no Brasil, além de um dos maiores defensores da criação de cursos universitários e de centros de estudos dedicados à análise das relações internacionais no Brasil. Meira Penna ingressou na carreira diplomática em 1938 vindo a ocupar a posição de secretário-geral adjunto do Ministério das Relações Exteriores para a Europa Oriental e a Ásia, onde testemunhou a Segunda Guerra Mundial e a Revolução Chinesa, e desempenhou a função de embaixador em Israel, Nigéria, Noruega, Equador, EUA, França e Polônia.

No fim de sua carreira no Itamaraty, Meira Penna associou-se ao liberalismo e tornou-se um defensor ativo do pensamento liberal no Brasil. Estudou a problemática da cultura patrimonialista e sua relação com outros vícios da sociedade brasileira, procurando formular soluções para que fossem superados. Neste intuito, publicou os livros Psicologia do Subdesenvolvimento (1972), Em Berço Esplêndido (1974), O Brasil na Idade da Razão (1980) e O Dinossauro (1988). Em 1986, fundou junto a outros intelectuais liberais a Sociedade Tocqueville, sendo também presidente do Instituto Liberal de Brasília e membro da Sociedade Mont Pèlerin. Escreveu para diversos jornais nos quais além de divulgar o liberalismo e sua análises da sociedade brasileira, discorria sobre o tema da escravidão e dos negros no Brasil. Foi simpatizante do sionismo, atuando em favor do estado de Israel em seu trabalho como diplomata.

Elogiado e reconhecido por nomes como o Nobel de literatura Mario Vargas Llosa e o ex-Ministro do Planejamento Roberto Campos, Meira Penna completou seu centenário em 2017, tornando-se um dos últimos representantes dos intelectuais de sua geração. Continuou ativo na promoção de suas ideias mesmo com idade avançada, inclusive participando de discussões na internet. Falecendo debilitado no mesmo ano, Meira Penna foi homenageado como um dos mais importantes intelectuais liberais do Brasil.

Compartilhe

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *