O Retorno do Rei – O Senhor dos Anéis 3 – J. R. R. Tolkien

O Retorno do Rei - O Senhor dos Anéis 3 - J. R. R. Tolkien‘Pippin espiou de dentro do abrigo da capa de Gandalf. Perguntou-se se estava acordado ou continuava dormindo, ainda no sonho veloz no qual estivera envolto desde que a grande cavalgada começara’. Assim começa a terceira e última parte de ‘O Senhor dos Anéis’, que narra as estratégias opostas de Sauron e Gandalf, até a catástrofe final no fim da Grande Escuridão. É impossível transmitir ao novo leitor todas as qualidades e o alcance do livro. Alternadamente cômica, singela, épica, monstruosa e diabólica, a narrativa desenvolve-se em meio a inúmeras mudanças de cenários e de personagens, num mundo imaginário absolutamente convincente em seus detalhes. Nas palavras do romancista Richard Hughes, ´quanto à amplitude imaginativa, a obra praticamente não tem paralelos e é quase igualmente notável na sua vividez e na habilidade narrativa, que mantêm o leitor preso página após página´.

Sobre o autor

John Ronald Reuel Tolkien, CBE (Bloemfontein, 3 de Janeiro de 1892 — Bournemouth, 2 de Setembro de 1973), conhecido internacionalmente por J. R.R. Tolkien, foi um premiado escritor, professor universitário e filólogo britânico, nascido na África, que recebeu o título de doutor em Letras e Filologia pela Universidade de Liège e Dublin, em 1954, e autor das obras O Hobbit, O Senhor dos Anéis e O Silmarillion.

Tolkien nasceu em Bloemfontein, na República do Estado Livre de Orange, atual África do Sul, e e aos três anos de idade, com sua mãe e irmão, passou a viver na Inglaterra, terra natal de seus pais, tendo naturalizado-se britânico. Desde pequeno fascinado pela linguística, cursou a faculdade de Letras em Exeter. Participou ativamente da Primeira Guerra Mundial, onde começou a escrever os primeiros rascunhos do que se tornaria o seu “mundo secundário”, complexo e cheio de vida, denominado Arda, palco das mundialmente famosas obras “O Hobbit”, “O Senhor dos Anéis” e “O Silmarillion”, esta última, sua maior paixão, que, postumamente publicada, é considerada sua principal obra, embora não a mais famosa.

Tornou-se filólogo e professor universitário, tendo sido professor de anglo-saxão (e considerado um dos maiores especialistas do assunto) na Universidade de Oxford entre 1925 a 1945, e de inglês e literatura inglesa na mesma universidade de 1945 a 1959. Mesmo precedido de outros escritores de fantasia, tais como William Morris, Robert E. Howard e E. R. Eddison, devido à grande popularidade de seu trabalho, Tolkien ficou conhecido como o “pai da moderna literatura fantástica”. Suas obras foram traduzidas para mais de 20 idiomas, vendeu mais de 200 milhões de cópias e influenciou toda uma geração.

Católico convicto, Tolkien foi amigo íntimo de C.S. Lewis, autor de “As Crônicas de Nárnia”, ambos membros do grupo de literatura The Inklings. Juntos planejaram, na década de 1940, escrever um livro sobre a língua, que seria publicado na década seguinte. O livro, que se chamaria “Linguagem e Natureza Humana”, no entanto, nunca chegou a ser publicado.

Veja Também

Compartilhe

Comentários

Nenhum Comentário Ainda

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *