Esquecidos & Superestimados – Rodrigo Gurgel

Esquecidos & Superestimados - Rodrigo GurgelQuem se volta contra a tradição acaba de um modo ou de outro se contaminando com o que dela há de pior, com a sua caricatura. E nesse complexo de Adão, os abusos formalistas, mais a crescente desfiguração da linguagem, com a posterior bênção acadêmica e sua formulação em decretos educacionais, criaram o isolamento do escritor que primeiro se ressentia de sua marginalização e depois a tornou numa ética – com licença da rima – de sua estética. Contra uma prosa que se pretende literatura porque se afasta do chão comum de cada dia é que se insurge, em continuação ao Muita retórica – Pouca literatura, Rodrigo Gurgel, que denunciou a cumplicidade da própria crítica literária nesse vício.

Rodrigo Gurgel, diga-se, não escreveu esta obra com o intuito ranzinza de resgatar autores desconhecidos contra os escritores que se tornaram celebridades, o que seria outra forma de manifestar a sanha de originalidade dos modernistas, sob disfarce de arqueologia crítica. Está se falando, sim – pautado em princípios pedagógicos e de independência crítica, sem as comodidades ideológicas -, de ter curiosidade por saber o que foi produzido, de querer saber o que realmente diz o texto – Jessé de Almeida Primo (Trechos do Prefácio, Literatura e verdade).

Sobre o autor

Crítico literário do jornal Rascunho, colaborador da Folha de S. Paulo e colunista do site Mídia sem Máscara, Rodrigo Gurgel é autor de “Muita Retórica – Pouca Literatura (de Alencar a Graça Aranha)”, publicado pela VIDE Editorial. Gurgel também escreve, ocasionalmente, para outras publicações, impressas ou na web, como as revistas Dicta & Contradicta, Vila Nova e Sibila. Leitor crítico de editoras e agências literárias (presta serviços inclusive a particulares) e editor freelance, também trabalha como coach literário, assessorando escritores na escrita ou reescrita de suas obras. Jurado do Prêmio Jabuti de 2009 a 2012, Gurgel ganhou notoriedade em 2004, quando foi escolhido como um dos dez vencedores do Concurso de Contos “Caderno 2”, do jornal O Estado de S. Paulo, dedicado aos 450 anos da cidade de São Paulo.

Veja Também

Compartilhe

Comentários

Nenhum Comentário Ainda

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *